segunda-feira, 27 de abril de 2020

Curiosidade: Uma London Bridge no Arizona EUA.

Já discutimos aqui no blog sobre edificações ou fragmentos que são removidos de seu local de origem e reerguidos em outra ambiência. No post Os fragmentos da história desde o séc. XVIII se espalhando pelo mundo citamos vários exemplos. Vale a pena reler! É só clicar no link.

Neste post vamos falar de mais um exemplo. Durante minha leitura do livro Delirious New York me deparei com a história de uma London Bridge desmontada, transportada e reconstruída no outro lado do mundo, no Lago Havasu, Arizona, Estados Unidos da América. 

A ponte, originalmente construída nos anos 1830 sobre o rio Thames com pedras vindas da Escócia, foi desmontada e vendida pela City of London in 1962 para no seu lugar se construir uma nova ponte com o objetivo de atender a demanda de transeuntes.

Desmontada e numerada pedra por pedra, a ponte atravessou o oceano e chegou no Arizona - EUA. 

Para sua reconstrução, em uma cidade planejada, foi executada uma nova estrutura de concreto sobre a terra pois o canal artificial só foi construído depois. Esse trabalho durou 03 anos e foi finalizado em 1971.

Abaixo algumas fotos e um link bem interessante contando esse fato com mais detalhes.

A ponte, construída nos anos 1830, sobre o rio Thames - Londres, Inglaterra.
O desmonte 130 anos depois - Inglaterra.
A numeração das peças para a reconstrução - Inglaterra.
A nova ponte sobre o rio Thames, no mesmo local da anterior, para atender a demanda de transeuntes.
Inaugurada em 1971 - Inglaterra.
O desembarque nos EUA.
Estrutura nova de concreto construída sobre a terra no Arizona, EUA.
A ponte reconstruida e o canal artificial - Arizona, EUA.
Uma London Bridge no Arizona!
* imagens da web - acesso em abril 2020.

Referências:
- Delirious New York - A Retroactive Manifesto for Manhattan - Rem Koolhass (tem tradução em português)
- Wikipédia.
https://www.bbc.co.uk/news/resources/idt-sh/the_bridge_that_crossed_an_ocean

Postado por Cristiane Py

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Projeto Antigo Clube da Bolsa - Museu do Café

O Projeto de Conservação e Reforma Simplificada para Acessibilidade do Antigo Clube da Bolsa foi desenvolvido de forma a atender a solicitação do Instituto de Preservação e Difusão da História do Café e da Imigração - INCI em reativar um espaço de convívio e lazer no Museu do Café.

Localizado no terceiro pavimento da Bolsa Oficial do Café em Santos (1922), o Clube da Bolsa, instalado em 1924, ali permaneceu até o fim dos anos 1970, quando o edifício foi desocupado para reformas. 

Em 1998 a edificação passa a abrigar o Museu do Café, mas a área ocupada pelo Clube da Bolsa permanece como espaço de escritórios da Secretaria da Fazenda até 2019, quando só então o espaço passa a ser gerido pelo INCI. 

O projeto contemplou não só as diretrizes e metodologias para a conservação e preservação do espaço e bens integrados como também um estudo de viabilidade técnica para acessibilidade e climatização.
Escada de acesso para o Hall Principal,  saindo do Hall do Elevador. Para preservar o Hall Principal com seus valores estéticos, históricos e simbólicos, foi elaborado, para o acesso de pessoas com necessidades especias, um estudo de viabilidade técnica-financeira para o acréscimo de uma parada do elevador no Patamar da Escada que se encontra em nível com os demais ambientes. 
Patamar da Escada que se encontra em nível com os demais ambientes. Estudo de viabilidade técnica-financeira para acréscimo de parada do elevador de forma a manter a estética do espaço patrimônio cultural e permitir o acesso universal.


Estudo de acessibilidade



Estudo de acessibilidade
Salão do Restaurante - Reparem no piso em madeira com desenhos geométricos e no forro de estuque abobadado com simulação de vigas de madeira.


Para a climatização do ambiente foi proposto o sistema de dutos externos pela fachada do patio de serviço e grelhas pintadas na mesma tonalidade da parede sobre as janelas. Tanto dutos como máquinas serão instalados nos pátios internos de serviço de forma a preservar a fachada em estilo eclético.


Parte dos lambris decorativos do salão se encontram com patologias e lacunas. Foi desenvolvido não só o mapa de danos de todas as áreas a serem preservadas, como também o diagnóstico e consultoria com profissionais habilitados.


Detalhe do mapa de danos dos lambris de madeira. Também foi desenvolvido o mapa de danos do piso de madeira e do forro de estuque bem como um memorial descritivo de danos e diagnósticos.


Para os sanitários, que já se encontravam com alterações significativas para justificar sua preservação, foi proposto um novo layout para atender as normas de acessibilidade brasileira (ABNT NBR 9050 2015). Para esse estudo foi mantida não só a simetria do projeto existente como também as esquadrias de madeira originais.



Projeto: Conservação e Reforma Simplificada para Acessibilidade do Antigo Clube da Bolsa.
Arquiteta responsável: Cristiane Py.
Autoras do projeto: Cristiane Py e Arq. Mariana Rillo.
Consultoria estrutural: Eng. Pedro Py.
Consultoria de elevadores: Basic Elevadores.
Consultoria de climatização: BR-AR Sistemas de Ar Condicionado Ltda. EPP.
Consultoria restauro de madeira: Antonio Carlos Barbosa.
Imagens:  Py Vieira Arquitetura e Eventos Ltda.


Postado por Cristiane Py