sexta-feira, 13 de abril de 2018

Restauro Urbano - O projeto do SESC 24 de maio

No post A importância do diálogo nas intervenções de restauro - Parte III,  falamos sobre o projeto Carré d'Art, Museu de Arte Contemporânea, de autoria do escritório Foster+Partners. Localizado na cidade de Nimes na França, o museu, inserido em um tecido e ambiência histórica, respeitou e dialogou com o seu entorno demonstrando como uma arquitetura contemporânea pode se integrar ao sítio histórico sem abrir mão da sua atualidade.

Mas não precisamos ir tão longe para encontrarmos bons exemplos de projetos contemporâneos  inseridos em tecidos urbanos históricos. A nova unidade do SESC - Serviço Social do Comércio, localizada em uma esquina na rua 24 de maio no centro antigo de São Paulo, é, ao meu ver, um dos melhores exemplos de restauro urbano.

Vale lembrar que essa área do Centro Histórico de São Paulo, além de ser exclusiva aos pedestres, é marcada por conter várias galerias que cruzam os quarteirões e se misturam com o tecido urbano. Podemos citar a tão famosa Galeria Olido,  a Galeria Presidente, a Galeria P. Monteiro, o Boulevard do Centro e a conhecida Galeria do Rock, todas elas no entorno próximo ao SESC.

Entrada da Galeria Olido pela Av. São João
Galeria Presidente, localizada em frente ao SESC 
Vista do SESC a partir da Galeria Presidente
Galeria R. Monteiro localizada ao lado do SESC
Galeria do Rock com acesso pela Av. São João e rua 24 de maio
Boulevard do Centro, também no entorno do SESC


O projeto, de autoria do escritório Paulo Mendes da Rocha + MMBB Arquitetos, consistiu em uma grande reforma com aumento de área em uma edificação, sem valores culturais, que antes era ocupada por uma loja de magazine. A nova arquitetura tirou partido e resgatou os valores das antigas galerias, fazendo o SESC não só se abrir e convidar São Paulo para adentrar, como também ser um ponto de partida para a revitalização do abandonado Centro Histórico de São Paulo.


A esquina agora ocupada com a nova unidade do SESC
O andar térreo aberto para a cidade. Resgatando os valores das antigas galerias
Rampas dão acesso aos andares superiores fazendo a circulação aberta do térreo se prolongar por todo o conjunto
Espaços livres dos andares superiores. Áreas de descompressão no agitado Centro Paulistano
Não só o térreo se abre para a cidade.
Sistemas de sprinklers. Alternativa para o combate a incêndios nas rampas não enclausuradas. 
Áreas abertas em todo o conjunto

* imagens da autora - abril de 2018
Postado por Cristiane Py