terça-feira, 20 de junho de 2017

Restauro de pinturas parietais - Igreja de São Domingos - Salvador - Nov-2015

Conforme prometemos, hoje continuaremos falando de restauro de pinturas em Patrimônio Cultural Edificado. 

No post anterior falamos do restauro de pinturas em forro de madeira e hoje falaremos do restauro de pinturas parietais.

No caso de restauro em pinturas parietais, o primeiro trabalho à ser executado é a prospecção estratigráfica. Com ela conseguimos localizar as diversas camadas de pintura que foram feitas no decorrer do tempo e então decidir qual será restaurada (lembrando que nem sempre a proposta é voltar à pintura original, mas sim aquela que tiver maior valor histórico, artístico e simbólico).

Definindo a camada de pintura à ser restaurada partimos para o processo de remoção das camadas sobrepostas. Esse processo poderá ser feito com solventes ou remoção mecânica.

No caso da Igreja São Domingos, o processo adotado foi o da remoção mecânica com bisturi conforme imagem abaixo.
remoção mecânica com bisturi das camadas de pinturas sobrepostas.
As demais etapas são similares ao restauro dos painéis de azulejo e restauro de pinturas em forros de madeira.

Após a remoção mecânica das camadas sobrepostas fazemos o nivelamento e depois a reintegração cromática.

processo de nivelamento
processo de nivelamento
processo de reintegração cromática

reintegração cromática - técnica do trattégio
detalhe da técnica do trattégio

restauro finalizado
O pontilhismo e o trattégio são técnicas de reintegração pictórica de forma a criar um diferencial entre a pintura original e a restaurada. A distinguibilidade nas intervenções de restauro é uma das principais diretrizes da teoria da restauração de Cesare Brandi.

"A restauração deve visar ao restabelecimento da unidade potencial da obra de arte, desde que isso seja possível sem cometer um falso artístico ou um falso histórico, e sem cancelar nenhum traço da passagem da obra de arte no tempo."
Cesare Brandi, teoria da restauração pag.33  

"A integração deverá ser sempre e facilmente reconhecível; [...], a integração deverá ser invisível à distância de que a obra de arte deve ser observada, mas reconhecível de imediato, e sem necessidade de instrumentos especiais, quando se chega a uma visão mais aproximada."
Cesare Brandi, teoria da restauração pag.47

* imagens - arquivo pessoal - visita realizada em nov de 2015
* teoria de Cesare Brandi ler: Teoria da Restauração, Cesare Brandi, Ateliê Editorial, Artes & Ofícios

por Cristiane Py       

Nenhum comentário:

Postar um comentário