segunda-feira, 24 de julho de 2017

Frase inspiradora:

"Quando a arquitetura é vista como um processo contínuo, no qual as teses e antíteses são dialeticamente integradas, ou como um processo em que a história está tão intimamente envolvida quanto a antecipação da história, em que o passado tem o mesmo peso do olhar voltado para o futuro, então o processo de transformação não é apenas o instrumento do design, mas o próprio objeto deste. Ao mesmo tempo, torna-se possível fazer referência à realidade específica de cada lugar individual onde a arquitetura será construída - e portanto, ao genius loci -, e descobrir a poesia do lugar e dar-lhe expressão. Assim, o lugar é usado da melhor maneira possível."*

                     Oswald Matthias Ungers

* em História Crítica da Arquitetura Moderna, Kenneth Frampton, pag. 360.

Postado por Cristiane Py

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Restauração ou Retrofit?

No final do mês passado nosso escritório entregou uma obra de retrofit de 2 conjuntos comerciais em uma edificação da década de 1960 localizada na Av. Paulista. Aproveitando o espaço do blog vamos falar um pouco desse projeto e dessa obra, mas antes é importante distinguirmos a diferença entre restauração de um patrimônio edificado e o retrofit de uma construção antiga.

Em minhas pesquisas pela internet vi várias definições equivocadas sobre o que seria o ato de restaurar. Em muitos sites e blogs a restauração era colocada como um ato que visava o retorno ao estado original da obra, conceito este que a mais de um século já foi descartado. Para não nos estendermos muito nessa questão é importante dizer que a restauração é um ato de cultura e que deve ser pensada e planejada por uma equipe multidisciplinar. Segundo Cesare Brandi:

"a restauração constitui o momento metodológico do reconhecimento da obra de arte, na sua consistência física e na sua dúplice polaridade estética e histórica, com vistas à sua transmissão para o futuro"

"a restauração deve visar ao restabelecimento da unidade potencial da obra de arte, desde que isso seja possível sem cometer um falso artístico ou um falso histórico, e sem cancelar nenhum traço da passagem da obra de arte no tempo"

Já o retrofit, que podemos traduzir como "colocar o antigo em forma", é um termo muito usado na engenharia (tanto mecânica como civil) e tem como função adequar e modernizar as instalações de construções (ou equipamentos) pré existentes extendendo a sua vida útil e principalmente adequando-os as normas técnicas atuais.

No projeto dos conjuntos comerciais contemplamos: instalações novas de elétrica, hidráulica, telefonia, rede e ar condicionado; instalação de infra-estrutura para cadeira odontológica; troca dos caixilhos sendo os novos com tratamento acústico; troca de piso; remanejamento geral do layout visando uma proposta multiuso; instalação de forro e divisórias de gesso acartonado; troca das esquadrias por portas de madeira com 80cm de largura visando o desenho universal; mudança de layout com 2 lavabos sendo que um deles permite o acesso do módulo de 1,20x0,80m para uso de cadeirantes.

Nas imagens abaixo vamos ver o antes e o depois da obra realizada.

O Antes:


instalações elétricas aparentes; ar condicionado de janela não possibilitando abertura, piso de carpete
instalações hidráulicas aparentes com piso elevado
instalações hidráulicas aparentes com piso elevado
quadro geral de elétrica dentro do banheiro

O Depois:






piso de porcelanato, luminárias de Led embutidas no forro de gesso acartonado, vidro superior permitindo luz natural na recepção.

ar condicionado trisplit inverter, tomadas à 40cm do piso.

lavabo que permite o acesso do módulo 0,80x1,20m de usuário de cadeira de rodas


caixilho em aluminio com tratamento acústico

* imagens da autora

Postado por Cristiane Py

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A importância do diálogo nas intervenções de restauro - Parte III

Já havíamos discutido aqui no blog a questão da importância do diálogo nas intervenções de restauro (lembrando que quando falamos de restauro e preservação incluímos também a escala urbana) e para continuarmos o debate trago 2 projetos que, no meu ver, souberam dialogar e valorizar o pré existente inserindo uma arquitetura contemporânea.

Ambos os projetos que vamos falar hoje são de autoria do escritório Foster + Partners que tem entre suas obras mais conhecidas a Swiss Re Tower em Londres.

Carré d'Art


Segue abaixo croqui e imagem do Carré d'Art, museu de arte contemporânea localizado na cidade de Nimes na França.




O interessante nesse projeto é que a nova edificação não é um anexo ou extensão da edificação antiga mas um prédio independente localizado em frente ao templo romano. Neste caso se faz importante respeitar o que chamamos de ambiência ou área envoltória do patrimônio cultural. 

Reparem que, no croqui do projeto, adotou-se um conceito que teve como ponto de partida a edificação antiga sendo ela representada em primeiro plano.


Joslyn Art Museum


Este projeto para ampliação do museu em estilo art deco localizado em Omaha, EUA muito se assemelha ao projeto do Sir John A. MacDonald Building discutido no post A importância do diálogo nas intervenções de restauro - Parte II.






Reparem que na proposta para a nova ala do museu não foi utilizada a transparência e ou estrutura diagrid, elementos recorrentes nos projetos da Foster + Partners. O novo anexo adota material  de acabamento semelhante ao existente e apenas a interligação entre o prédio antigo e a nova ala é em vidro. O gabarito do novo prédio também respeita o pré existente.

Observação

Assim como cada intervenção de restauro deve ser analisada caso à caso, as obras já implantadas também deverão ser. Por isso é importante deixar claro que neste post estamos analisando os 2 projetos acima e não o conjunto de obras da Foster + Partners.

Leia também:



*imagens do site: http://www.fosterandpartners.com - acesso em 10-07-2017

Postado por Cristiane Py